FRATERNIDADE COMO CATEGORIA POLÍTICA

Paulo de Tarso Brandão, Ildete Regina Vale da Silva

Resumo


Este artigo tem como objetivo tecer algumas reflexões sobre o estudo da Fraternidade em uma ideia que acena à possibilidade de (re)construí-la como categoria política. A perspectiva se apresenta como condição de possibilidade para a realização do projeto constitucional brasileiro em sua especial meta de garantir a dignidade da pessoa humana pela via da efetividade dos Direitos Fundamentais, impulsionando, assim, cumprir a finalidade que o Estado Contemporâneo se destina.


Palavras-chave


Política. Fraternidade. Estado Contemporâneo. Função Social.

Referências


AQUINI, Marco. Fraternidade e Direitos Humanos. In: BAGGIO, Antônio Maria (Org.). O Princípio Esquecido/1. Tradução de Durval Cordas, Iolanda Gaspar, José Maria de Almeida. Vargem Grande Paulista, SP: Cidade Nova, 2008. p. 127/151.

BAGGIO, Antonio Maria. A redescoberta da Fraternidade na época do “terceiro 1789”. In: BAGGIO, Antonio Maria. (Org.). O Princípio Esquecido/1. Tradução de Durval Cordas, Iolanda Gaspar, José Maria de Almeida. Vargem Grande Paulista, SP: Cidade Nova, 2008. 200 p.

BAGGIO, Antonio Maria. (Org.). Fraternidade e reflexão politológica contemporânea. In: BAGGIO, Antonio Maria (Org.). O Princípio Esquecido/2: Exigências, recursos e definições da Fraternidade na política. Tradução de Durval Cordas, Luciano Menezes Reis. Vargem Grande Paulista, SP: Cidade Nova, 2009. 261 p.

BAGGIO, Antonio Maria. A Inteligência Fraterna. In: BAGGIO, Antonio Maria (Org.). O Princípio Esquecido/2: Exigências, recursos e definições da Fraternidade na política. Tradução de Durval Cordas, Luciano Menezes Reis. Vargem Grande Paulista, SP: Cidade Nova, 2009. 261 p.

BAGGIO, Antonio Maria. Il dibattito intorno all’idea di Fraternità. Prospettive di ricerca politologica. http://www.cittanuova.it/FILE/PDF/articolo20813.pdf. Acesso em 07 de setembro de 2010.

BARRENECHE, Osvaldo (comp.). Estudios recientes sobre fraternidad: De la enunciación como principio a la consolidación como perspectiva. 1. Ed. Buenos Aires: Ciudad Nueva, 2010, 252p.

BARROS, Flaviane de Magalhães. A fundamentação das decisões a partir do modelo constitucional de processo. Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica, Porto Alegre, v. 1, n. 6, 2008. p.147.

BERCOVICI, Gilberto. Ainda faz sentido a Constituição dirigente? Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica. Porto Alegre, v. 1, n. 6, 2008. p. 158.

BERNHARD, Agnes. Elementos do conceito Fraternidade e de Direito constitucional. In: CASO, Giovani et al. (Org.). Direito e Fraternidade: ensaios, prática forense. São Paulo: LTr; Editora Cidade Nova, 2008. (Comunhão e Direito). p. 61-62.

BOBBIO, Norberto. Verbete “Ciência Política”. In: BOBBIO, Norberto et al. Dicionário de Política. Tradução de Carmem C. Varrialle. et al. 4. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1992. Vol. 2, p. 954.

BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Campus, 2004. 232 p.

BRANDÃO, Paulo de Tarso. Ações Constitucionais – “Novos”Direitos e acesso à Justiça. 2. Ed. Florianópolis: OAB/SC Editora, 2006. 320p.

BRANDÃO. Paulo de Tarso. Um diálogo sobre Direitos Fundamentais com o Pensamento do Professor António José Avelãs Nunes. In: LIBER AMICORUM. Homenagem ao Prof. Doutor António José Avelãs Nunes. São Paulo:Coimbra Editora. 2009, 1019 p. (COMPLETAR DADOS)

CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7. ed. Coimbra: Almedina, 2003, p. 377.

CASO, Giovanni et al. Direito & Fraternidade. São Paulo: LTr; Editora Cidade Nova, 2008. 177p.

CHUEIRI, Vera Karam de. A Constituição Brasileira de 1988: Entre o Constitucionalismo e Democracia. Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica. Porto Alegre, v. 1, n. 6, 2008. p. 416.

IGHINA, Domingo. “Unidos ou Dominados”. Sobre uma leitura da Fraternidade em função latino-americana. In: BAGGIO, Antonio Maria (Org.). O Princípio Esquecido/2. Exigências, recursos e definições na política. Tradução de Durval Cordas, Luciano Menezes Reis. Vargem Grande Paulista, SP: Cidade Nova, 2009. p.33/41.

LUCAS, Doglas Cesar. O procedimentalismo Deliberativo e o Substancialismo Constitucional: Apontamentos sobre o (in)devido papel dos Tribunais e sobre a (dês)necessidade de cooperações pós-nacionais/constitucionais para se “dizer o Direito”. In SPENGLER, Fabiana Marion; BRANDÃO, Paulo de Tarso. Os (Des)Caminhos da Jurisdição. Florianópolis:Conceito Editorial, 2009. 260p.

MARITAIN, Jacques. O homem e o Estado. Tradução de Alceu de Amoroso Lima. 3. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1959. 251 p.

MORAIS, José Luis Bolzan de; ESPINDOLA, Ângela Araújo da Silveira. O Estado e seus limites: reflexões em torno dos 20 anos da Constituição brasileira de 1988. Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica, Porto Alegre, v. 1, n. 6, p. 207-238, 2008.

PASOLD, Cesar Luiz. Função Social do Estado Contemporâneo. 3. ed. Florianópolis: OAB/SC Editora co-editora Editora Diploma Legal. 2003. 128p.

PASOLD, Cesar Luiz. Metodologia da Pesquisa Jurídica: Teoria e Prática. 12. ed. São Paulo: Conceito Editorial, 2011. 216p.

PIZZOLATO, Filippo. A Fraternidade no ordenamento jurídico italiano. In: BAGGIO, Antônio Maria (Org.). O Princípio Esquecido/1. Tradução de Durval Cordas, Iolanda Gaspar, José Maria de Almeida. Vargem Grande Paulista: Cidade Nova, 2008.

PECES-BARBA, Gregorio. Curso de Derechos Fundamentales: teoría general. Madrid: Universidad Carlos III de Madrid, 1995.

PEREZ LUÑO, Antonio Enrique. Los Derechos Fundamentales. 9. ed. Madrid: Tecnos, 2007. 234 p.

PEREZ LUÑO, Antonio Enrique. La Universalidad de los Derechos Humanos y El Estado Constitucional. Bogotá: Universidad Externado de Colombia, 2002. (Série de Teoría Jurídica y Filosofía del Derecho nº 23).

RESTA, Eligio. Direito Fraterno. Tradução Sandra Regina Martini Vial. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004. 139 p.

ROSA, Alexandre Morais da. A Constituição no país do jeitinho: 20 anos à deriva do discurso neoliberal (Law and Economics). Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica, Porto Alegre, v. 1, n. 6, 2008.

SARLET, Ingo Wolfgang. A Eficácia dos Direitos Fundamentais. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006, 493 p.

STRECK, Lenio Luiz. A Constituição (ainda) dirigente e o direito fundamental a respostas corretas. Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica, Porto Alegre, v. 1, n. 6, 2008.

STRECK, Lênio Luiz. O Pan-Principiologismo e a Autonomia do Direito: Uma Abordagem a Luz da Hermenêutica Filosófica. Aula Inaugural do Curso de Doutorado em Ciência Jurídica da UNIVALI, Itajaí-SC, em 20 de março de 2009.

VALE DA SILVA, Ildete Regina. A Fraternidade como um valor que o Direito pode e deve (re)construir: Uma abordagem à luz dos Direitos Humanos e dos Direitos Fundamentais. Disponível em: https://www6.univali.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=722.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Fac. Dir. - ISSN: 0103-2496 (impresso) / 2317-2940 (eletrônico)

Rua Meton de Alencar, s/n - Centro - Fortaleza - CE 
CEP 60035-160 - Fone: +55 (85) 3366 7834