ORGANIZAÇÃO SINDICAL: INCOERÊNCIAS DO MODELO BRASILEIRO

Francisco Gérson Marques de Lima

Resumo


Este artigo apresenta uma perspectiva crítica sobre o modelo sindical brasileiro, demonstrando o quanto é contraditório e plural, não sendo possível falar que existe um sistema, mas sim várias expressões de atuação sindical, numa organização díspare e sem uniformidade, quer no âmbito das entidades sindicais, quer no âmbito do Poder Público responsável. Apresenta, também, a concepção do MPT e o sentido da Coordenadoria Nacional da Promoção de Liberdade Sindical.


Referências


AROUCA, José Carlos. Curso Básico de Direito Sindical. 2ª ed. São Paulo: LTr, 2009.

AROUCA, José Carlos. Democracia e Autonomia Sindical frente ao Ministério do Trabalho, ao Ministério Público do Trabalho e a Justiça do Trabalho. In Revista LTR, vol 78 (11):1308-1314, de nov/2014. São Paulo: LTr, 2014.

BATALHA, Wilson de Souza Campos. Direito Processual das Coletividades e dos Grupos. 2ª ed. São Paulo: LTr, 1992.

DELGADO, Mauricio Godinho. Direito Coletivo do Trabalho. 2ª ed. São Paulo: LTr, 2003.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Compêndio de Direito Sindical. 2ª ed. São Paulo: LTr, 2000.

PEREIRA, Ricardo José Macedo de Britto. Constituição e Liberdade Sindical. São Paulo: LTr, 2007.

RODRIGUEZ, José Rodrigo. Dogmática da Liberdade Sindical: direito, política, globalização. Rio de Janeiro: São Paulo: Renovar, 2003.

ROMITA, Arion Sayão. Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho. São Paulo: LTr, 2005.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Fac. Dir. - ISSN: 0103-2496 (impresso) / 2317-2940 (eletrônico)

Rua Meton de Alencar, s/n - Centro - Fortaleza - CE 
CEP 60035-160 - Fone: +55 (85) 3366 7834