O PAPEL DO BANCO CENTRAL DO BRASIL NO FORTALECIMENTO DA CIDADANIA FINANCEIRA

Eduardo Martins de Mendonça Gomes, William Paiva Marques Júnior

Resumo


O acesso a serviços financeiros sempre foi um problema até mesmo em países desenvolvidos. No Brasil os maiores desafios ao acesso a serviços financeiro resultam de uma política do Governo federal via Banco Central do Brasil implementada a partir de 1964/65, que instituiu alguns mecanismos que visavam “concentrar e estabilizar” o sistema bancário. Tais medidas foram ratificadas no início da década de 1970, quando da criação da Comissão de Fusão e Incorporação de Empresa (Cofie), contudo essa política de concentração de bancos não foi capaz de criar mecanismo para o acesso dos indivíduos à esses serviços financeiros e nem de estimular a concorrência criando entraves ao que se denominou de “Cidadania Financeira”. O presente estudo analisa o papel do Banco Central do Brasil, autarquia responsável pelo Sistema Financeiro Nacional, na promoção da Cidadania Financeira consubstanciado no dever de garantir à todos os cidadãos o exercício de direitos e deveres que o permitam gerenciar bem seus recursos financeiros, tendo como meios para o exercício desses direitos e deveres a inclusão financeira, a educação financeira, a proteção do consumidor de serviços financeiros e a sua efetiva participação nos canais de diálogo sobre o sistema financeiro. Conclui-se que o Banco Central do Brasil vem exercendo relevante papel na implementação da “Cidadania Financeira” dentro de suas atribuições de regulador do Sistema Financeiro Nacional exigindo dessas instituições informações precisas e acessíveis aos consumidores, fomentando um ambiente de promoção do desenvolvimento social por intermédio do acesso ao microcrédito bem como criando arranjos institucionais que permitem a entrada de novas modalidades de instituições financeiras em um mercado dominado por apenas alguns poucos grandes conglomerados de bancos. A pesquisa é pura e de natureza qualitativa, com finalidade descritiva e exploratória.


Palavras-chave


Direito bancário; cidadania financeira, desbancarizados, desenvolvimento social.

Referências


ABRÃO, Nelson. Direito bancário. 4. Ed. ver., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1998. p. 26.

ARAUJO, Luiz Alberto D'Ávila de; JORGE NETO, Paulo de Melo. Risco e competição bancária no Brasil. Rev. Bras. Econ., Rio de Janeiro, v. 61, n. 2, 2007. p. 199. Disponível em . Acesso em 20 Nov. 2018.

ALMEIDA. Daniel B. de Castro; JÚNIOR, Frederico G. Jayme, Bancos e concentração no brasil: um estudo com dados em painel para os estados (1995-2004). in Anais do XXXV Encontro Nacional de Economia – ANPEC. 2007. p. 2. Disponível em: Acesso em 26 Nov. 2018.

BERCOVICI, Gilberto. Constituição econômica e desenvolvimento: uma leitura a partir da Constituição de 1988. São Paulo: Malheiros, 2005.

BONAVIDES, Paulo. O pioneirismo da Constituição do México de 1917. In: FIX-ZAMUDIO, H.; FERRER, E. G. (Coord.) Influencia extranjera y trascedencia internacional. México: Secretaria de Cultura Instituto Nacional de Estudios Históricos de Las Revoluciones de México. 2017. p. 15.

BRASIL. Inclusão financeira nas regiões e unidades da federação (UFs), com ênfase no Espirito Santo. BCB, Brasília. 2017. p. 3.

BRASIL. O que é cidadania financeira? Definição, papel dos atores e possíveis ações. BCB. Brasília. 2018. p.18.

BRASIL. Relatório Cidadania Financeira 2018. Banco Central do Brasil. Disponível: . Acesso em 23 nov. 2018.

CARVALHO. Fernando J. Cardim de; SICSU. Joao, Economia Monetaria e Financeira, Rio de Janeiro, Elsivier, 2007. p. 230.

COMPARATO, Fábio Konder. A nova cidadania. Lua Nova, São Paulo, n. 28-29, 1993. p. 87. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2018.

DURÁN. Clemente Ruiz, Los desbancarizados: el problema de los mercados financeiros segmentados. Comercio Exterior, vol. 54, núm. 7, México, junho de 2005. p. 567.

GRAU. Eros Roberto, A ORDEM ECONÔMICA - NA CONSTITUIÇAO DE 1988 (Interpretação e crítica). Malheiros Editores. Ed 17. São Paulo – SP. 2010. p. 320.

KUMAR, Anjali. Banco Mundial, Brazil Access to Financial Services in Urban Areas Summary of Survey Results, junho de 2002. p. 2.

ROQUE. Sebastião José. Direito bancário. Editora Ícone. São Paulo. 2013. p. 22.

SARTEA, Claudio. El derecho al desarrollo: una cuestión de justicia y solidaridad. Díkaion, v. 23, n. 2, 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2018.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. Tradução: Laura Teixeira Mota. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

TAVARES, Martus A. R. Concentração bancária no Brasil: uma evidência empírica. Rev. adm. empres., São Paulo, v. 25, n. 4, 1985. p. 56. Disponível em:. Acesso em 26 nov. 2018.

OCDE-INFE International Survey of Adult Financial Literacy Competencies. Disponível em: . Acesso em 20 nov. 18.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Fac. Dir. - ISSN: 0103-2496 (impresso) / 2317-2940 (eletrônico)

Rua Meton de Alencar, s/n - Centro - Fortaleza - CE 
CEP 60035-160 - Fone: +55 (85) 3366 7834