O DEMANDISMO JUDICIAL EM TEMPO DE CRISE ECONÔMICA E O REFLEXO NO JUDICIÁRIO

Fernanda Cláudia Araújo da Silva

Resumo


A explosão de decisões judiciais é um fenômeno mundial e envolve questões relativas à economia, à vida privada, aos bens e à liberdade dos indivíduos e principalmente à internacionalização de direitos, devendo tornar-se uma política pública urgente nos países para que o preceito democrático efetive seus efeitos. Essa quantificação de novas demandas jurídicas e sociais está a desafiar o funcionamento do Judiciário face à multiplicidade de causas. Com isso, leva-se a necessidade de se redefinirem os parâmetros da prestação do Judiciário diante dessa crise econômica globalizada. Assim, o estudo desenvolvido terá sempre que observar esse objeto. Essa dinâmica econômica repercute no comportamento da sociedade é fator essencial para o reflexo pela busca de direitos, e principalmente em busca da prestação jurisdicional.

Palavras-chave


Judiciário; Demandas; Globalização

Referências


BOBBIO, Norberto. Estado, Governo, Sociedade: para uma teoria geral da política. Trad. Marco Aurélio Nogueira Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Senado.

_______. Conselho Nacional de Justiça. Departamento de pesquisas Judiciárias. Sumário Executivo – Justiça em números. 2013. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/programas-de-a-a-z/eficiencia-modernizacao-e-transparencia/pj-justica-em-numeros/relatorios. Acesso em 22 de agosto de 2014.

_______. Conselho Nacional de Justiça. Resoluções. Disponíveis em: http://www.cnj.jus.br/atos-administrativos/atos-da-presidencia/resolucoespresidencia. Acesso em 27 de agosto de 2014.

_______. Conselho Nacional de Justiça. Portaria nº 204, de 20 de outubro de 2010. Disponíveis em: http://www.cnj.jus.br/atos-administrativos/atos-da-presidencia/portarias-presidencia/12053-portaria-n-204-20-de-outubro-de-2010. Acesso em 29 de agosto de 2014.

_______. Legislação. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/legislacaoAcesso em 29 de agosto de 2014.

_______. Supremo Tribunal Federal. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/audienciaPublica/audienciaPublicaPrincipal.asp. Acesso em 20 de agosto de 2014.

BRITO, Clarissa Moraes. Gestão processual e audiência de conciliação, Universidade Autónoma de Lisboa. Mestrado em Direito – Especialidade em Ciências Jurídicas Lisboa: 2014

CAPPELLETTI, Mauro; GARHT, Bryant. Acesso à justiça. Trad. Ellen Gracie Nortfleet. Porto Alegre: Fabris, 2002.

DAKOLIAS, Maria. O setor judiciário na américa latina e caribe- elementos para reforma. Documento Técnico nº 319 - Relatório do Banco Mundial. Trad. Sandro Eduardo Sardá, Washington, D.C., 1996.

DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de direito processual civil. São Paulo: Malheiros, v. 1. 2001.

DUGUIT, Léon. Fundamentos do direito. Trad. Eduardo Salgueiro. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 2005.

DWORKIN, Ronald. O Império do direito. Trad. Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ECONOMIDES, Kim. Lendo as ondas do “Movimento de Acesso à Justiça”: epistemologia versus metodologia?. Seminário Internacional Justiça e Cidadania. Trad. Paulo M. Garchet, Rio de Janeiro, 1997, Disponível em: http://www.comunidadesegura.org/files/lendoasondasdomovimentodeacessoajusticaepistemologiaversusmetodologiakimeconomides.pdf. Acesso em 23 de agosto de 2014.

FARIAS, Paulo Ramos de e Loureiro, Ana Luísa. Primeiras notas ao novo código de processo civil. Coimbra: Ed. Almedina, 2013.

HABERMAS, Jürgen. Pensamento pós-metafísico: estudos filosóficos. Trad. Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

_______. Facticidad y Validez: sobre el Derecho y el Estado Democrático de Derecho en términos de Teoría del Discurso. Trad. Manuel Jiménez Redondo. Madrid: Trotta, 1998.

HOMEM, António Pedro Barbas. História do Pensamento Jurídico. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Coimbra Editora. Coimbra, 2003.

_______. O justo e o injusto. Associação Acadêmica da Faculdade de Direito – Lisboa: 2001. Reimpressão 2005.

GRAU. Eros Roberto. O direito posto e direito sobreposto. 7. ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

LIMA, Francisco Gérson Marques de. O STF na crise institucional brasileira – Estudo de casos: abordagem interdisciplinar de Sociologia Constitucional. Malheiros: São Paulo, 2009.

MACEDO, Paulo Gali. Reflexões sobre a necessidade de um novo paradigma científico. Encontro de Saberes: três gerações de bolseiros da Gulbenkian. Ed. Fundação Gulbenkian. Lisboa, 2006.

MARTINÉZ, Pedro Soares. Previsão económica. 2ª. Ed. Almedina. Coimbra, 2004.

MARTINS, António. Código de processo civil comentários e anotações práticas. 3ª. ed. Coimbra: Ed. Almedina, 2013.

NUNES, Dierle José Coelho. Processo Jurisdicional Democrático: uma análise crítica das reformas processuais. Curitiba: Juruá, 2008.

PAPINI, Paulo Antônio. A crise econômico-institucional brasileira e a crise no poder judiciário são as duas faces da mesma moeda. p. 2. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/26218-26220-1-PB.pdf. Acesso em 23 de agosto de 2014.

PASSOS, Carlos Eduardo da Fonseca. Cinco Escritos Sobre Ações de Massa e Demandismo. Disponível em: http://www.emerj.tjrj.jus.br/revistaemerj_online/edicoes/revista61/revista61_72.pdf. Acesso em 25 de agosto de 2014.

PEDRON, Flávio Quinaud. Reflexões sobre o “acesso à Justiça” qualitativo no Estado Democrático de Direito. Jus Navigandi, Teresina, ano 18, n. 3525, 24 fev. 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2014.

PEREIRA JUNIOR, Ricardo. O desafio moderno e o Judiciário: tempo espaço e atuação da justiça. Tese de Doutoramento. USP. São Paulo, 2010. Síntese disponível em: http://dedalus.usp.br/F/H12Q3MYIXRCG32E5V3JUCLJ1LVIJAGM8I2PPLX5S1Q2Y37T975-48993?func=full-setset&set_number=000851&set_entry=000021&format=999

PINTO, Rui Gonçalves. Notas ao código de processo civil. Coimbra: Coimbra Editora, 2014.

RAWLS, John. Justiça e democracia. Trad.: Irene A. Paternot. Martins Fontes: São Paulo, 2000.

_______. Teoria da Justiça. Trad. Almiro Piseta e Lenira M. R. Esteves. Martins Fontes: São Paulo, 2000.

_______. O liberalismo político, Trad. Dinah de Abreu Azevedo. São Paulo. Ed. Ática, 2000.

SADEK, Maria Teresa A. A efetividade de direitos e acesso à justiça. In: RENAUT, Sérgio Rabello Tamm; BOTTINI, Pierpaolo (Coord.). Reforma do Judiciá-rio. São Paulo: Saraiva, 2005.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 4 ed., Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2004.

SILVA, Christine Oliveira Peter da. Hermenêutica dos direitos fundamentais, Brasília, Brasília Jurídica, 2005.

THEODORO JUNIOR, Humberto, Revista síntese ‘direito civil e processual civil’, Porto Alegre, Ano VI, nº. 36, p. 19-37, jul-ago, 2005.

UNGER, Roberto Mangabeira. O direito na sociedade moderna. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1979.

UNIÃO EUROPEIA. Carta dos Direito Fundamentais da União Europeia. Serviço de Publicação da União Europeia: Bélgica, 2012.

VALLEJO, Gina Chávez. Orden Jurídico, Formación de Jueces y transformaciones del Estado. In: UNASUL e Novo Constitucionalismo Latino-Americano. FREITAS, Raquel Coelho de; MORAES, Germana de Oliveira, Coord. Curitiba: Editora CRV, 2013.

WATANABE, Kazuo. Acesso à Justiça e Sociedade Moderna, In: GRINOVER, Ada Pellegrini, DINAMARCO, Cândido Rangel, WATANABE, Kazuo, (Coords.). Participação e Processo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1988.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Fac. Dir. - ISSN: 0103-2496 (impresso) / 2317-2940 (eletrônico)

Rua Meton de Alencar, s/n - Centro - Fortaleza - CE 
CEP 60035-160 - Fone: +55 (85) 3366 7834